Réu, Lula vai depor sobre esquema na compra dos caças suecos em junho

EX-PRESIDENTE É RÉU ACUSADO DE FAVORECIMENTO À EMPRESA SAAB

O juiz Vallisney de Souza Oliveira, da 10ª Vara Federal de Brasília, remarcou para o dia 21 de junho o depoimento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na ação em que ele é réu com seu filho Luís Cláudio Lula da Silva, acusados de participar de um esquema para favorecer a empresa Saab na venda de 36 caças ao Brasil.
O depoimento estava previsto para 20 de fevereiro, mas foi suspenso pelo desembargador Néviton Guedes, do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1), que acatou pedido da defesa para aguardar a oitiva de testemunhas que moram fora do país, no prazo máximo de quatro meses.
Vallisney Oliveira, responsável pelo caso na primeira instância, resolveu agora marcar os depoimentos de Lula, de seu filho e dos empresários Mauro Marcondes Machado e Cristina Mautoni Marcondes Machado, também réus, para a manhã do dia seguinte ao encerramento do prazo estipulado pelo TRF-1.
Na ação penal, Lula e seu filho foram investigados na Operação Zelotes, da Polícia Federal, e foram denunciados pelos crimes de tráfico de influência, lavagem de dinheiro e organização criminosa, por envolvimento em esquema que vendia a influência do petista no governo Dilma para beneficiar empresas.
De acordo com a denúncia, Lula, seu filho e os consultores Mauro Marcondes e Cristina Mautoni participaram de negociações irregulares no contrato de compra dos caças suecos Gripen e na prorrogação de incentivos fiscais para montadoras de veículos em uma medida provisória. Segundo o MPF, Luís Cláudio recebeu R$ 2,5 milhões da empresa dos consultores.
A defesa do ex-presidente sustenta que Lula e seu filho não participaram ou tiveram conhecimento dos atos de compra dos caças suecos. Segundo os advogados, a investigação tramitou no Ministério Público de forma oculta e sem acesso à defesa.
DIÁRIO do PODER/montedo.com

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*