Exército defende envio de tropas à África como treino para ações no Brasil

Ajuda nas intervenções no Brasil Itamaraty não recomenda envio Temer decidirá nos próximos dias

TALES FARIA – O presidente Michel Temer deve decidir nos próximos dias se o Brasil enviará tropas para a missão de paz da ONU na República Centro-Africana.
A República Centro-Africana está em guerra civil desde 2013. É considerada pela ONU a área mais difícil sob missão de paz no mundo. Em novembro, a organização pediu apoio ao Brasil. O então ministro da Defesa, Raul Jungmann, dispôs-se a enviar 1.000 homens.
As Forças Armadas avaliam que só têm a ganhar em missões no exterior como essas –a do Haiti foi 1 exemplo. Os militares consideram que essas operações servem de treinamento para missões em áreas urbanas conflituosas, como as recentes no Rio de Janeiro, Ceará e Rio Grande do Norte.
No entanto, o Ministério das Relações Exteriores não vê com bons olhos a medida e é contra o envolvimento no conflito da África.
Além de a ação servir como treino, para o Exército também significa receber mais dinheiro do Tesouro, sem tirar verba do Orçamento das Forças Armadas.
No Haiti, foram aplicados cerca de R$ 2 bilhões de 2004 a 2013, metade reembolsada pela ONU. O Brasil comandou de 2004 a 2017 o componente militar da missão.
Na República Centro-Africana seriam R$ 450 milhões só no 1º ano. O dinheiro serve para a manutenção das tropas locais e para a compra de equipamentos que se incorporam depois às Forças Armadas.
PODER360/montedo.com

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*