Vigilant Ace 18: americanos e sul-coreanos treinam contra a Coreia do Norte

Aviões de combate da Força Aérea dos EUA chegaram à Coreia do Sul no último fim de semana para o exercício anual de combate aéreo conjunto com Seul, o Vigilant Ace 18, que se realiza por quatro dias a partir do dia 4 de novembro.

A demonstração de força vem depois do lançamento de um novo míssil balístico intercontinental que a Coreia do Norte testou no Mar do Leste na quarta-feira passada. As autoridades militares locais mais tarde admitiram que o míssil, o Hwasong-15, seria capaz de atacar todo o território dos EUA se fosse disparado em um ângulo para otimizar seu alcance.

Seis F-22 Raptors, aviões de combate tático furtivos, pousaram na Base Aérea de Gwangju no último sábado. Nem a Força Aérea da Coreia do Sul nem a Força Aérea dos EUA anunciaram oficialmente que outras aeronaves chegarão, mas várias fontes militares locais disseram que o F-35A Lightning II, bem como o avião de guerra eletrônica EA-18G Growler, chegaram na Base Aérea de Osan em Pyeongtaek, Gyeonggi ou Base Aérea de Kunsan no norte de Jeolla até domingo, e começaram a treinar.

A programação para a Vigilant Ace 18 também é conhecida por incluir o F-16C Fighting Falcon, o avião de alerta aéreo e controle aéreo E-3 Sentry e o bombardeiro B-1B Lancer.

Doze F-35B Lightning IIs voarão de uma base aérea dos EUA no Japão para o exercício, mas não vão pousar em solo sul-coreano, de acordo com um oficial militar local.

Cerca de 12 mil pessoas da Força Aérea dos EUA e do Corpo de Fuzileiros Navais devem participar, enquanto quase 90 aviões militares da Força Aérea da Coreia do Sul e 150 do lado dos EUA serão mobilizados.

A Força Aérea da Coreia do Sul participa com os aviões de combate F-15K, KF-16 e F-5, caças leves FA-50, aviões de ataque leve KA-1 e aeronaves de alerta e controle antecipado E-737. Os aliados vão treinar o ataque contra as principais instalações nucleares e de mísseis da Coreia do Norte.

Washington, mais uma vez, pressionou Pequim para fazer mais para controlar Pyongyang, com o conselheiro de segurança nacional da Casa Branca, HR McMaster, dizendo a uma multidão no Fórum de Defesa Nacional de Reagan, na Califórnia, que o potencial de guerra com a Coreia do Norte estava aumentando todos os dias.”

Ele disse: “Estamos em uma corrida, na verdade, estamos em uma corrida para poder resolver esse problema”, acrescentando: “A China tem um tremendo poder econômico coercivo sobre a Coreia do Norte. Quero dizer, você não pode disparar um míssil sem combustível”.

O assessor de segurança disse que ele e o presidente Donald Trump pensaram que um embargo de petróleo de 100 por cento contra a Coreia do Norte era necessário neste momento.

O Global Times, um tablóide estatal chinês, publicou sem rodeios em uma edição em inglês, na última sexta-feira, que a China não tem intenção em fazer esse movimento.

“Independentemente do que a Coreia do Norte fez, é errado impor um embargo comercial completo ou romper vínculos com o país”, diz o artigo. “A China não tem obrigação de cooperar com os EUA nesta ideia impraticável”. Em um ponto, a publicação culpou Washington e Seul por “não conseguirem cumprir suas obrigações em aliviar as tensões e pressionar por conversações”, em vez de colocar suas esperanças na China, que já “fez o que pode” tanto para a Coreia do Norte quanto para os Estados Unidos.

Fotos divulgadas pela USAF do exercício VIGILANT ACE 18

FONTE: Korea Joongang Daily /  Poder Aéreo

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*