Audiência decide se ex-tenente do Exército acusado de feminicídio vai a júri popular

Teve início às 9h30 desta quarta-feira (22) a audiência de instrução e julgamento do caso da estudante de Arquitetura Iarla Lima, morta em 19 de junho de 2017 na Zona Leste de Teresina. O acusado é o namorado da vítima na época, o ex-militar do Exército, José Ricardo da Silva Neto. O juiz Antônio de Reis Noleto preside a audiência e vai decidir se o homem vai a júri popular.

A assistente da promotoria, Karla Oliveira, disse que o objetivo da acusação é que o caso seja levado para o tribunal popular do júri, responsável por julgar crimes dolosos contra a vida.

“Esperamos que ele seja pronunciado, posto que o inquérito tem autoria e materialidade delitiva do crime que ele cometeu. As provas são robustas”, declarou a advogada.

Para Karla, não há como o acusado negar a autoria do crime. “Ele disse com as palavras dele a amigos que tinha matado ela. E temos duas vítimas que estavam no local, que viram ele atirar na Iarla e nelas”.

Ilana e Iarla Lima estava juntas quando o crime aconteceu. (Foto: Ilana Lima/ Arquivo Pessoal)

As vítimas são a irmã e uma amiga da jovem. Além do homicídio contra Iarla, pesam contra o ex-tenente as acusações de tuas tentativas de homicídio contra as duas. A acusação sustenta que ele teria atirado contra a namorada e contra as jovens dentro do próprio carro, mas elas conseguiram escapar.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*